Isolamento social: E agora?

A propagação do COVID-19 no nosso país colocou-nos a todos em isolamento social. O maior tempo que permanecemos nas nossas habitações pede que nos superemos todos os dias de modo a mantermos a sanidade mental. Contudo, ao fim de alguns dias, acabamos por questionar tudo e não saber o que fazer. Assim, veja neste artigo, como encarar esta nova realidade.
Share on facebook
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp

A limitação das deslocações e do convívio com outras pessoas, com a permanência a full-time nas nossas casas, parece ser hoje uma estratégia fulcral na contenção da propagação da COVID-19. É normal, depois de vários dias em isolamento social, ficarmos sem ideias sobre o que fazer em casa. No entanto, não desespere! Pense que apesar de o isolamento social ser, nesta altura, a maior arma contra a propagação do vírus, este não durará para sempre. Assim, apresentamos-lhe algumas dicas sobre como manter a “normalidade” do nosso dia-a-dia.

Mantenha as suas rotinas habituais

As rotinas são uma sequência de ações quase automáticas que facilitam e simplificam a nossa vida. Estas garantem uma certa ordem e organização, proporcionando sentimentos de segurança e estabilidade e, diminuindo o stress.  Assim, é importante mantermos as rotinas, como colocar o despertador à hora habitual, trocar o pijama por uma outra roupa (mantendo o conforto, claro!)  e realizar as refeições nas horas tradicionais. Caso se encontre em teletrabalho, procure iniciar e terminar dentro dos horários convencionais.

Não se esqueça da Atividade Física

Estar em casa não é sinónimo de estar parado! Apesar de não poder estar connosco nos estúdios eBody, é possível manter-se fisicamente ativo mesmo estando em casa.  Com os nossos personal trainers acompanhando-o à distância, basta ter algum espaço em casa para se manter ativo. E não necessita de material desportivo específico! Só com o peso do nosso corpo e materiais do dia-a-dia, é possível criar treinos muito exigentes.

Procure uma alimentação saudável

O facto de estar mais tempo em casa pode ser uma forma de melhorar os seus hábitos alimentares. O pouco tempo que tinha para tomar o pequeno-almoço ou almoçar durante o seu quotidiano, é agora alargado. Assim, procure aprender novas receitas, com alimentos mais saudáveis. Investigue novas formas de temperar os mesmos e diferentes tipos de confeção.  Caso não saiba por onde começar, tem sempre sites ou revistas de cozinha online para visitar.

Mantenha o contacto com quem é importante para si

Estar distante fisicamente não obriga a uma quebra nos relacionamentos, sobretudo com aqueles de quem mais gostamos. Estamos no século XXI. Hoje é possível falar em tempo real com o outro lado do mundo.  Quer através das chamadas de voz, do email, das mensagens ou até das redes sociais, uma das melhores formas de reduzir a ansiedade e solidão, é falar com as pessoas de quem gostamos. No entanto, se a saudade apertar em demasia, poderá sempre recorrer às videochamadas para um contacto mais “pessoal”.

Invista na sua formação

E porque não aproveitar o tempo livre para se instruir? Agora que tem mais tempo livre poderá sempre aprender uma nova língua ou realizar aquela formação que tanto tem adiado. Desde apps a sites, muitas são as empresas e instituições de ensino que disponibilizam cursos e formações online certificadas (algumas até gratuitas!!). Agora, é sem dúvida, a melhor altura para adquirir ou melhorar os seus conhecimentos numa determinada área. 

Organize a sua casa

Com a maior disponibilidade, poderá sempre dedicar algum do tempo diário na manutenção da casa. Quer nas tarefas domésticas habituais como na realização das mudanças que tem vindo a adiar fazer, procure envolver a família, incluindo os filhos. Desde a distribuição das tarefas à realização em conjunto, todos poderão ajudar. Trace um plano do que fazer durante cada semana. Além disso, mais tempo livre poderá também traduzir-se em tempo para projetos maiores. Esta é a altura ideal para organizar a sua casa. Livre-se de toda a tralha que apenas ocupa espaço. Selecione o que já não dá para utilizar e deite fora. Tudo aquilo que poderá ser aproveitado, doe a quem mais precisa. Por outro lado, caso tenha skills e as ferramentas certas, é sempre interessante modificar divisões da nossa casa, dar um novo ar. Mas, cuidado! Tenha a certeza daquilo que está a fazer. Pintar uma parede não é tão fácil como nos videojogos…

Relaxe e divirta-se!!!

Estar mais tempo em casa não significa ter mais tempo livre. Mesmo em casa, pode persistir a azafama das crianças a estudar ou a brincar, o teletrabalho e as tarefas domésticas habituais. O tempo para si parece, por vezes, cada vez mais complicado. No entanto, é importante perceber a necessidade de relaxar e divertir-se. Seja através da leitura daquele livro guardado na estante até à visualização das séries e filmes colocados na sua lista, aproveite o confinamento social para fazer atividades que realmente lhe dão prazer, e que muitas vezes acabam por ser colocadas em 2º ou 3º plano. Além disso, procure meditar. Antes de dormir, ou antes de toda a família acordar, reserve uns minutos do seu dia para meditar e refletir. Caso não saiba como, existem imensos tutoriais online que o ajudarão a controlar a ansiedade e o stress e, a priorizar o seu bem-estar. O importante é encontrar ferramentas que o ajudem a manter viva a espiritualidade e a aumentar a energia, melhorando a sua capacidade de lidar com a doença e, consequentemente a sua qualidade de vida.

#PowerYourLife e mantenha-se ativo!!!

Tags

Gostaria de saber mais sobre o Treino eBody

Contacte-me para reservar a minha experiência única eBody® pelo valor promocional de 14,90€.

Siga-nos

Mais do nosso eBlog

eBody vence Prémio 5 Estrelas 2020
Media

eBody vence Prémio Cinco Estrelas

A eBody ganhou o prémio Portugal 5 Estrelas, tanto no distrito do Porto como em Lisboa, com uma classificação de 80,8%.

Saúde

Atividade Física e Doenças Cardiovasculares

A atividade física sempre fez parte da vida do Homem. No entanto, a recente evolução tecnológica tem provocado uma diminuição da necessidade de movimento. Como consequência, observamos um aumento do número de pessoas com doenças cardiovasculares. Será a atividade física o remédio milagroso que temos vindo a negligenciar?